OPINIÃO: A Gestão de RH reflete no campo?

Thiago

Cuidar dos aspectos relacionados ao desenvolvimento dos recursos humanos da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário – SEDA, criada há apenas um ano, é um prazeroso desafio, que me traz todos os dias inspiração pessoal e aprendizado profissional.

Apesar de estar dentro de uma área organizacional, ter um olhar para as causas sociais relacionadas à regularização fundiária rural e para a o fortalecimento da agricultura familiar de Minas Gerais, me proporciona ser um profissional mais completo, que além de conhecer os processos burocráticos da Administração Pública, cria estratégias de gestão, ligadas aos reais objetivos e metas da instituição, fortalecendo, no caso, o diálogo entre os agricultores familiares e o Governo.

Ter apenas 21 anos de idade, e receber a solene oportunidade de compor o setor de RH da SEDA, junto aos queridos colegas de trabalho da Superintendência de Planejamento Gestão e Finanças, me possibilita adquirir diariamente significativos aspectos gerenciais e humanísticos, complementares a minha graduação e autoconhecimento em Administração de Empresas.

As atividades que realizo contribuem (mesmo que indiretamente) para garantir o acesso à terra, fortalecimento da agricultura familiar, estimular a segurança alimentar e nutricional sustentável, produção de alimentos saudáveis, promoção da cidadania e a dignidade da vida no campo, entre outras ações da instituição, uma vez que a Diretoria de Recursos Humanos procura utilizar as ferramentas da Gestão de Pessoas de forma a aperfeiçoar o capital humano disponível em nossa Secretaria.

A humanização da gestão de RH proporciona aos nossos servidores um agradável ambiente organizacional que reflete em fatores motivacionais para impulsionar o desenvolvimento de suas ações. O aperfeiçoamento do capital humano proporciona uma maior eficiência na execução das ações.

Voltando a pergunta geradora desta reflexão: “A Gestão de RH reflete no campo?” Sim! Uma Gestão de Recursos Humanos eficaz, que valoriza o capital humano disponível, minimiza as diferenças sociais e desenvolve planos estratégicos para a valorização do servidor, interfere na qualidade da prestação do serviço público prestado à sociedade.

Thiago Nascimento – Assessor Técnico da Diretoria de Recursos Humanos/SEDA