Movimentos sociais comemoram investimentos na Agricultura Familiar

Cerca de 800 militantes de várias organizações acompanharam solenidade do Governo de Minas Gerais

A esplanada do Auditório Juscelino Kubitschek, na Cidade Administrativa de Minas Gerais, foi tomada nesta sexta-feira (25) por diversos militantes de movimentos sociais e sindicais, que vieram de várias partes do interior do Estado, para acompanhar o lançamento do conjunto de ações de fortalecimento da agricultura familiar e combate à pobreza rural.

Estavam presentes representantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Minas Gerais (Fetaemg-MG), Federação Nacional dos Trabalhadores e Trabalhadoras na Agricultura Familiar (Fetraf-MG), a Federação das Comunidades Quilombolas de Minas Gerais (N’Golo), Articulação do Semiárido Mineiro (Asa Minas), CUT-MG, Pastoral da Terra, Levante Popular da Juventude, entre outros.

O principal anúncio foi a assinatura de decreto para a desapropriação das fazendas Ariadnópolis, em Campo do Meio, Córrego Fundo/Gravatá, em Novo Cruzeiro, e Fazenda Nova Alegria, em Felisburgo.  A ação, em parceria com o Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), atende reivindicação histórica e beneficiará 352 famílias de trabalhadores rurais sem terra que há mais de dez anos moram em barracos precários sem saneamento básico, cultivam lavouras e criam animais para subsistência.  O aporte de recursos orçamentários e financeiros necessários para a execução do projeto é estimado em cerca de R$ 43,1 milhões, segundo levantamento do Incra.

Sonho

O trabalhador rural sem terra Adão Assis Reis, de 53 anos, vive há quatro anos na Fazenda Ariadnópolis, em Campo do Meio, e está com a esperança renovada com a decisão do Governo de Minas. Seu sonho é desenvolver uma horta para a comercialização dos produtos em feiras e mercados da região.

“É muito importante saber que a luta de muitos anos valeu a pena. Estamos felizes por essa decisão do Governo Pimentel, que demonstra o compromisso do estado com o trabalhador rural”, disse Reis.

Antes do início da cerimônia o auditório JK estava todo tomado pelos convidados, a maior parte por integrantes do MST-MG. Eles tocaram viola, cantaram e falaram palavras de ordem do movimento.

O garoto Mateus Camargo Rocha, de 4 anos, era um dos mais empolgados. Chegou a subir no Palco para saldar os militantes e depois ainda tirou foto com o governador Fernando Pimentel e o ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias. Tanto Pimentel como Patrus receberam cesto de produtos de agricultores familiares do MST e da Fetraf-MG.

Evento histórico

Para o coordenador geral da Fetraf-MG, Juseleno Anacleto da Silva, a agricultura familiar vivia um retrocesso e agora tem a possibilidade de garantir dias melhores.

“Agora a Agricultura Familiar vai ter mais acesso à terra, à organização de produção. Acreditamos que esse evento é só o começo de muitas lutas e conquistas”, disse Silva.

Para a coordenadora da ASA Minas, Marilene Alves de Souza, a cerimônia foi o principal evento político do segmento nos últimos dez anos. “Demonstrou a preocupação do Governo de Minas Gerais com um setor que há anos vivia à margem das políticas públicas. Os anúncios atendem demandas históricas dos movimentos sociais”, afirmou Leninha.