Opinião: Uma alimentação saudável passa pela agricultura familiar

Leo Koury

Na última década deparamos com uma inversão na saúde pública brasileira. O déficit de peso que antes era uma grande preocupação entre brasileiras e brasileiros modifica-se ao passo de que temos, segundo os dados de 2014 do SISVAN/MS, mais de 50% da população em situação de sobrepeso e uma considerável parcela em situação de obesidade.

Estes dados refletem uma alimentação carregada de conservantes, alimentos ultra-processados, alimentação pronta e do modelo de refeição conhecido como fast-food. A alimentação passa a ser uma tarefa rápida e dispensável da atenção e do cuidado daqueles que consomem os alimentos. Neste sentido, paralelo a forma equivocada de se alimentar, as consequências desta alimentação traz a saúde pública um grande número de pessoas com hipertensão, diabetes entre outras doenças.

segurança alimentar

Uma das grandes conquistas do governo estadual em Minas Gerais neste último ano foi à criação da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, que por sua vez entende a Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável como eixo estratégico desde a produção ao consumo.

De acordo com conceito apresentado na Lei 11.346/06, Segurança Alimentar e Nutricional, consiste na realização do direito de todos ao acesso regular e permanente a alimentos de qualidade, em quantidade suficiente, sem comprometer o acesso a outras necessidades essenciais. Tendo como base práticas alimentares promotoras de saúde, que respeitem a diversidade cultural e que sejam ambiental, econômica e socialmente sustentáveis.

Sem dúvidas o conceito de Segurança Alimentar e Nutricional traz para a próxima década e certamente às próximas gerações, a oportunidade de refletir sobre a qualidade de vida que queremos. Alimentação saudável, produção sustentável sem uso de agrotóxicos e alimentos beneficiados sem excesso de conservantes são melhores para o organismo e para o meio ambiente.

Comer é uma escolha, bem como a forma de produção do alimento e o processo de compra. A agricultura familiar, em especial os produtores agroecológicos, vem ganhando espaço na mesa das brasileiras e brasileiros por mostrarem que uma vida saudável e sustentável, está muito além de apenas uma reflexão a respeito do que consumimos, mas liga-se também a nossa responsabilidade com o planeta.

Leonardo Koury Martins – Superintendente de Segurança Alimentar e Nutricional Sustentável / SEDA